CADÊNCIA HARMÔNICA

A cadência harmônica é caracterizada pela combinação funcional dos acordes, com sentido conclusivo ou suspensivo. Para se caracterizar uma cadência, necessita-se de pelo menos dois acordes de diferentes funções. É através da cadência que se define uma tonalidade, já que dois acordes de diferentes funções encerram quase todas as notas de uma tonalidade. São cinco as cadências: perfeita, imperfeita, plagal, meia-cadência e deceptiva.


1- Cadência perfeita

É a mais forte. Resulta da combinação das funções dominante "D" (V grau) e tônica "T" (I grau). Pode vir precedida do IV e II graus (função subdominante). Neste caso recebe a denominação de cadência autêntica.


2- Cadência imperfeita

É o resultado da combinação das funções dominante "D" e tônica "T" (V - I) onde um ou ambos estão invertidos ou ainda no caso VII - I. Nesses casos a cadência enfraquece acentuadamente


VIIm7(b5) é o acorde com Tônica , 3ªmenor, 5ªdiminuta e 7ªmenor " T - b3 - b5 - b7 "



3- Cadência plagal

É o resultado da combinação das funções Subdominante S e Tônica T . Trata-se, também, de uma cadência conclusiva.




4- Meia cadência

É quando o descanso é feito no dominante (V grau). Sendo o dominante precedido por graus de diferentes funções.




5- Cadência deceptiva ou interrompida

É quando o dominante vem seguido por qualquer grau que não seja a tônica. Esta cadência não é conclusiva, podendo ser diatônica ou modulante.

a - Diatônica

É quando o dominante (V grau) vem seguido por qualquer grau diatônico.



b - Modulante

É quando o dominante (V) vem seguido por um acorde que leva a uma nova tonalidade, passageira ou não.


Marcelo Medeiros

Postagens mais visitadas deste blog

Dominante Primário, Secundário e seu II Cadencial